terça-feira, 12 de novembro de 2013

O CONDUTOR (EDIÇÃO PORTUGUESA) LEIA O PRIMEIRO CAPÍTULO
VAN CURTT09:11 6 comentários






Disponibilidade / Agosto de 2013 




Chiado Editora
| Portugal | Angola | Cabo Verde



NOTA DO AUTOR

O austríaco Adolf Hitler (1889-1945), fora um dos políticos mais influentes e, titulado maior ditador de toda nova era, nasceu em Braunau, Áustria: de origem humilde, transferiu-se para Viena e posteriormente para a Alemanha. Após ter participado ativamente da Primeira Guerra Mundial, fundou em 1920 o Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (NSDAP), do qual formulou os 25 pontos, fundindo algumas tendências do socialismo com ideias do pangermanismo, do corporativismo econômico e do mais profundo antissemitismo. Fracassara a tentativa de apossar-se do poder, em Munique (Putsch de Munique, 1923), fora preso e condenado a cinco anos, mas, permaneceu apenas oito meses no cárcere. Durante o período de detenção escreveu Minha Luta.
Constituiu uma milícia parlamentar, a SA (Guarda do Exército), e sequencialmente a SS (Guarda Especial), que logo se espalharam pela Alemanha disseminando o terror e minando as bases do próprio Estado. Em 1931, apoiado por militares e pelo grande capital H, obteve maioria relativa no Parlamento; foi chamado para o cargo de chanceler (chefe de governo) entre 1930 e 1933, e só com a morte de Hindenburg e o apoio de nacionalistas e católicos, assumiu também o de chefe de Estado (presidente). Eliminou os partidos e instaurou o regime totalitário. Expandiu a indústria bélica. Anexou a Áustria em 1938; no ano seguinte, violando o acordo de Munique sobre a questão dos Sudetos, invadiu a Tchecoslováquia e, com o consentimento da Rússia, também a Polônia, desencadeando assim a II Guerra Mundial...

Os fatos complementares nesta publicação eventualmente referidos ao ditador são, mera ficção e, não têm escopo bibliográfico, tão como as opiniões aqui exprimidas não remetem aos conceitos do autor ou faz menção partidária, constituindo assim: um ato ficcional sem uma metodologia designativa, perpetuadora ou formadora de opinião.
  
O RETRATO DA GUERRA

França – Paris, janeiro de 1943.
Com os cabelos recobertos por um manto, a mulher que caminhava ágil arrastando pela mão seu filho ainda assustado pelo bulevar de escuridão medonha e surda, demonstrava exaustão por sua respiração entrecortada e ofegante. Desviara-se de destroços de concreto e do cadáver ainda fresco de um homem trajado por um sobretudo de costura grosseira e pés descalços. Seus sapatos haviam sido levados pelos soldados da vigília, mas seus conceitos estavam explícitos nos seus olhos negros e pele corada. Tentou tapar os olhos da criança quando passava por ele, e, o garoto desvencilhou-se dizendo que se acostumaria rapidamente com aquela ocasião, ação qual a fez retardar o passo, mas não extinguir-se de ser, do mesmo modo, morta pelos soldados da divisão de infantaria alemã. Ewa sabia que nada que fizesse ou dissesse traria ao garoto o aconchego do pai morto em combate.
Quando já estava a pouco mais de duzentos metros do corpo estrangulado do homem, ela pausou, curvou-se ao garoto e tentou confortá-lo, mas por estar encapelado em seu tedioso agasalho, ele quase não obteve êxito em tentar retribuir o abraço.
— Temos de buscar abrigo mamãe — e seus lábios ressequidos e frios tocaram de forma serena a maçã do rosto alvo e pálido da jovem e inexperiente fugitiva — Até mesmo os Vermelhos devem estar à nossa procura.
— Tens onze anos Haskel e, pouco sabe o que penso, do como proverei livrar-lhe sem o apoio de seu pai e onde passaremos a noite protegidos do regime. Apenas pense em coisas boas, vou proteger-lhe com a minha vida, assim como papai fez por nós.
— Queria ser grande para poder lutar também, mas...
— A Guerra está aqui dentro Haskel, — Ewa tocou sobre os botões do pesado casaco do garoto ­— e a paz também. Vamos! Não podemos nos manter tão expostos.
— Mamãe, deixe o alcorão junto ao corpo do homem para que Alá possa ter piedade e relevar a sua predestinação ao inferno... ele tem cheiro de álcool e por ter sido morto recente, ainda pode receber piedade.
Ganidos, gritos e disparos fizeram com que Ewa recobrisse o menino com o próprio corpo e mantivesse as pálpebras fechadas por alongado período. Sentiu cacos de vidro penetrando em sua palma quando se apoiou por ela, surgindo uma dor tão intensa quanto a presunção da própria morte.
— Já estamos distantes do rapaz, e ele, já deve ter conquistado seus méritos para receber a abonação de Alá — sussurrou.
O garoto nada disse, seus olhos estavam fixos na picape Mack ED 1939 tomando o bulevar abarrotada de soldados alemães, carregada de armas e galões de gasolina. Eles eram os únicos a aventurar-se naquele anoitecer e em breve, seriam apenas os alemães, pois Ewa e Haskel logo se tornariam apenas números de guerra, uma estatística inexata dos que arrancavam os tumores da injustiça e confundiam judeus com cristãos apenas pela similaridade e coloração de suas peles.
— Opa, opa... — e a picape fora perdendo ainda mais a velocidade, enquanto cinco soldados saltavam da caçamba de forma inquisitiva. O chefe ainda mantinha o motor rolando lento enquanto os demais se aproximavam do casal, analisando a mãe roçando os cabelos do menino. — Vimos você se assustar com a nossa ronda e esconder algo sob o casaco, quando o menino lhe alertou. Qual a sua etnia?
Ewa sentiu seus membros entorpecerem enquanto o sangue parecia sumir do seu corpo, fitou de forma libertadora a criança, dizendo-o no olhar que, em segundos, não teria mais de se preocupar com o frio ou com a fome: a sua nacionalidade era polonesa e não conseguiria persuadir os alemães com seu francês inapto.
Proszę ... zmiłuj się (Por favor ... tenha piedade). — disse ela abarcando o alcorão com ambos os braços, enquanto o soldado mirava em seu crânio. — CORRA HASKEL... fuja ziguezagueando para bem longe e, que Alá te proteja.
Passou a correr de modo desvairado seguindo os conselhos da mãe, que ajoelhada, curvara-se aos pés do soldado tentando favorecer sua corrida, mas o disparo certeiro o atingiu ao centro das costas. Ainda cambaleou por um ou dois metros antes de se agarrar a um poste de iluminação e escorrer por ele, sem olhar para trás.
O atirador se voltou à Ewa e chutou com o coturno contra seu peito protegido pelo livro; o alcorão se desprendeu dos seus pulsos e resvalou pela calçada de pedras. As páginas desprendidas pelos constantes chutes rodopiavam no vento, e o fogo passou a consumi-lo rapidamente quando despejado sobre ele um galão de gasolina.
Silenciosa; Ewa permaneceu inerte tanto no instante do disparo quanto na queima do livro islâmico. O cano do fuzil Sturmgewehr 44 gelou o espaço entre as sobrancelhas, enquanto um sussurro surgia lançado entredentes, — Każdy naród ma swoją proroka, każdy naród ma swój czas. (Cada nação tem o seu profeta; cada nação tem o seu tempo) — foi com esta citação que Ewa deixou de constar entre os vivos.








quinta-feira, 10 de outubro de 2013

O CONDUTOR POR є 10,80 NA LIVRARIA BERTRAND DE PORTUGAL
VAN CURTT07:01 0 comentários

SUPER PREÇO PARA TODOS OS LUSITANOS APROVEITAREM...
clique aqui para conferir

A livraria Bertrand tem praticado o preço de capa do livro O CONDUTOR ainda com super desconto de lançamento em um percentual de dez por cento... elevando-o ao conhecimento de leitores portugueses e enquadrando-o em uma lista de peso que se inicia com Augusten Burroughs, Peter Dickinson, Dan Brown, Nicholas Sparks, Sylvia Day, Daniel Silva, George R. R. Martin, Charlaine Harris, E. L. James... e segue até Van Curtt (O CONDUTOR) gloriosamente na página 23 e ainda se é complementada seguidamente por:

Van Curtt - O Condutor - Entre os tumores do Führer
Patrick Rothfuss - O temor do sábio
Camilla Läckberg - A Princesa de gelo
P. C. Cast , Kristin Cast - Escolhida
John Grisham - O Sócio
Nicholas Sparks - Porto seguro
William Faulkner - Mosquitos
Nicholas Sparks - O melhor de mim

e outros demais 38.000 títulos em destaque.

OBRIGADO... É O QUE POSSO DIZER.


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

SAIU O TRAILER OFICIAL DO LIVRO - O CONDUTOR - VEJAM
VAN CURTT14:00 0 comentários


quinta-feira, 21 de março de 2013

LEIA UM TRECHO DO LIVRO - O CONDUTOR - lançamento de agosto de 2013
VAN CURTT17:57 0 comentários


     – Um instante senhor Starling. Acredito não termos mais segredos e possa um pouco compartilhar de mais uma vitória das nossas tropas – disse Von Helder, fazendo-o estagnar ao lado da porta.

     – General Frank, o Sexto Exército tem sido cercado e perdido força em Stalingrado diante a investida dos russos, no comando de Rokossovsky… conforme o último relatório, 90 mil dos nossos militares morreram de frio ou fome e 100 mil em combate. Deste modo não suportaremos mais três dias.
     – Temos quase 300 mil insensíveis homens em Stalingrado: eles resistem por seis meses e mais algumas semanas, todo aquele território nos pertencerá.
     – Sinto informar, mas: chegamos ao limite senhor. Roosevelt e o primeiro-ministro britânico Churchill, na Casa Branca, assinaram o desembarque na Sicília e exigem a completa rendição da Alemanha…
       Von Helder esquivou o olhar para Erick ainda parado ao lado da porta, franziu a fronte e golpeou o pescoço.
       – Essa é a Guerra major Erick… no último dia 18, enquanto a Luftwaffe (força aérea) atacava Londres, os malditos Vermelhos nos encurralavam em Leningrado (atual São Petersburgo), obrigando-nos recuar para rearmar (…) Estratégias vencem guerras. Mas, lhe pouparei de se ocupar com os nossos assuntos – disse Von Helder notoriamente abalado com os novos relatórios.
       – Deixar-vos-ei tratar de tais assuntos. Heil Hitler general! Já tenho com o que me ocupar.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

AGRADECIMENTO AO LEITOR DO LIVRO - TABULEIRO
VAN CURTT18:40 0 comentários

  
   Primeiro, confesso a honraria de ter a tua preferência mesmo diante inúmeros títulos disponíveis no mercado.
     Tenho em privativo você, leitor de gargantuesca exigência qualitativa. Foram dias, meses dedicados exclusivamente a você, onde passo a classificar como inumerável a minha gratidão por vosso interesse em conhecer essa vertente sociológica da ação e reação.
     Espero que esta leitura contribua com a reflexão sobre o preconceito na sua mais profunda definição: que estas entrelinhas, mesmo corruptíveis tenham sua voz ouvida. Ademais, cada decisão pequena sempre culmina em outras ações subsequentes, e, incluirdes na garantia de nada ter em completo tato, mesmo teus próprios atos, vem da definição de uma psique saudável abaixo da questão: toda ação destinada a terceiros não se limita ao nosso abissal controle.
   Tudo bem: a missão aqui não é tratar a psicologia ou filosofia, porém, que tenha em mãos palavras e situações usuais em teu cotidiano e que estejam acessíveis em sua memória quando levantardes a um terceiro ponto de vista sobre situações enfadonhas e aparentemente inexplicáveis. Que este amplo baldrame possa ser utilizado voltado para o bem da nossa engrenagem existencial.
    Acredite: nem todos os suicidas desejam a morte, porém apenas soluções rápidas. Poucas prostitutas planejam a vida além dos 40, e o mais importante: podem também terem sido condicionadas a tal realidade e 100% delas se disse princesa quando abaixo da inocência de ser criança. Alguns caminhos que assumirdes podem se tornarem irrevogáveis e diferentemente do dizer de alguns “liberalistas”, em ocasião, você poderá futuramente não se arrepender por questões simplesmente presenciais e seu futuro poderá ser também irreparável: caso ainda espere por você.
     Esteja à vontade para refletir, e claro, tenha uma boa leitura: obrigado.

VAN CURTT

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

RESENHA TABULEIRO PELO WEBSITE ESCREVENDO MUNDOS: crítica de Beatriz Nathaly.
VAN CURTT02:18 0 comentários

leia na fonte: www.escrevendomundos.com/2012/12/resenha-tabuleiro.html




13
dez



Resenha : Tabuleiro

Heey amores, como vocês estão? Hoje trago mais uma resenha quentinha do forno para vocês. O livro Tabuleiro, foi cedido pelo autor Van Curtt em parceria com o blog.


Livro : Tabuleiro

Autor : Van Curtt

Editora : Novos Talentos

Páginas : 534

Sinopse : Denso, ágil, profundo e ético, o Tabuleiro é um thriller psicológico muito além da criminologia: também é uma fábula romântica. Óbvio acusar um cidadão albino, adotivo e disposto ao suicídio de ter assassinado uma mulher que o chacoteou, ainda pelo encontrar de uma luva idêntica a que ele calçava quando clicado por uma jornalista, enquanto discutia com a vítima. Mas, e sobre aquela que ele dizia ter apreço? Sua primeira confidente fora encontrada sem os globos oculares, acompanhada por outro cadáver masculino, enunciando sua autoria. A mídia não dizia tudo sobre os atos, e os submissos da imprensa se dividiam em dois grupos pelo período eleitoral: os que acusavam o governo de descaso, e outros que apoiavam a reeleição de Hermes com matérias floreadas, mas a ABIN ainda exigia explicações. Quando o jornalista da CN se une a estatística de nove assassinados no Tabuleiro, trás consigo a evidência de uma rede de conspiração política, que pode mudar o rumo da corrida à prefeitura da cidade do Rio de Janeiro. Resta agora, apenas o êxtase pela vitória e o ensejo de manter-se vivo dentro dessa disputa interna.



~ Resenha ~


É meio difícil contar um pouco da história, são tantas coisas interligadas que se eu contar uma coisa posso acabar dando spoiler, e como a sinopse já da uma ideia do que se trata a história, prefiro dizer só minha opinião sobre o livro.

No início pensei que se tratava só de assassinatos e investigação, mas assim que a leitura vai evoluindo, outros assuntos como preconceito, bullying, pobreza e corrupção vão surgindo.

A narrativa do livro é incrível! O autor faz questão de nos dar vários detalhes, mas não é forçado, sai tão naturalmente que fica perfeito. Em vários momentos eu me senti dentro da história, quando os personagens passavam por uma situação tensa eu sentia tudo o que eles sentiam, várias vezes parei o livro para tomar um fôlego.

A diagramação do livro não é muito favorável, o livro além de grosso, tem as letras e as margens pequenas. É uma ótima história, mas a leitura é um pouco cansativa. 

Gostei bastante de ter a chance de ler o livro e indico para todos aqueles que gostam de um bom triller!


~ Quotes ~


As pessoas davam passagem a ele. Elas sabiam que de uma forma ou outra tinha algum problema, simbolicamente estava sendo rodeado por cabeças sem corpos que gritavam incessantemente:assassino, e embora as pessoas evitassem olhar diretamente, ele sabia que estavam olhando.

- Desculpe-me, Caroline, mas agora já não há saída. Prometo que irei livrá-la dessa, por mais que eu me torne um anjo da morte [...]

Ela retirou outra carta do baralho e meneou a cabeça dizendo inconscientemente que algo estava dando errado, mesmo sabendo que para si as cartas nunca mentiam ou diziam algo de maneira fantasiosa.


~ Nota ~
5

5 COMENTÁRIOS:

Carissa Vieira disse...
Parece, no mínimo, interessante. Mesmo você dizendo que é cansativo eu leria.

Beijos,

Carissa
http://artearoundtheworld.blogspot.com
Garota do Livro disse...
Adorei sua resenha!
Um beijo.
http://livrodagarota.blogspot.com.br/
Anônimo disse...
parece ser um bom livro eu quero ler
Enfim Shakespeare disse...
Gostei da resenha, porém no final você diz que a leitura é um pouco cansativa, sendo que antes disso você afirma que o escritor revela detalhes,mas não é forçado sai naturalmente que fica perfeito, me deixou confusa se o livro é bom ou não de ler.

http://enfimshakespeare.blogspot.com.br/
Beatriz Nathaly disse...
Peço desculpas se não ficou claro o que eu falei. O que eu quis dizer é que é um ótimo livro, uma narrativa excelente, mas por conta do tamanho a leitura fica um pouco cansativa. Se não se importar com livros muito grossos, tenho quase certeza que aprovaria a história!

Beijos,

Beatriz.